Sustentabilidade

O cuidado com sustentabilidade esteve presente desde o começo das obras da Arena das Dunas, com a reutilização do material de demolição do antigo estádio Machadão, além do reuso de água e armazenamento de chuva para irrigar o gramado e limpeza. A grama, do tipo bermuda Tifton 419, é certificada internacionalmente, com selo de pureza genética, e foi cultivada na cidade de Touros, litoral potiguar. Foi plantada em agosto de 2013.

Desde janeiro de 2014 o equipamento multiuso possui certificação LEED. Esse selo atesta o empenho de uma edificação com os princípios de sustentabilidade, como racionalização da água, eficiência energética, qualidade ambiental e inovação. A certificação LEED (Leadership in Energy and Environmental Design), é concedido pelo US Green Building Council (USGBC) para edificações que atestam a adoção de conceitos de sustentabilidade em todo o planeta. Além dessa nova certificação, a Arena das Dunas também possui a Etiqueta Nacional de Conservação de Energia (ENCE).

A Leadership in Energy and Environmental Design (LEED) é um sistema internacional de certificação e orientação ambiental, utilizado em 143 países, com objetivo de incentivar a transformação dos projetos, obras e operação das edificações, sempre com foco na sustentabilidade.

Criada pelo Conselho de Construção Sustentável dos EUA (USGBC) em 2000, a certificação chegou ao Brasil em 2007. Atualmente, são 216 edificações certificadas no Brasil, um dos países com maior número de registros no mundo.

Eficiência Energética: O sistema energético da Arena tem eficiência superior a 10% e possui o selo A de eficiência energética, máxima eficiência, concedido pelo INMETRO.

Consumo de água: Uso de torneiras com dispositivos de aeração/fracionamento do esguicho de água e de descargas de dois estágios.

Reuso/aproveitamento de água: Uso de sistema coletor da água da cobertura da arena e armazenamento, tratamento físico e reaproveitamento desta agua no sanitários e irrigação do gramado.

Uso de material translucido e possibilitando ventilação natural: Foram instaladas peças de policarbonato translúcido entre as “pétalas” da cobertura com intervalo, vertical entre as peças, desta forma permitindo a passagem de luz natural e melhor circulação de ar.

Uso de gases de efeito estufa: Todos os equipamentos instalados além de possuir eficiência energética (baixo consumo) não usam gases que agridem a camada de ozônio, não contribuindo para os efeitos negativos do efeito estufa.

Reciclagem de resíduos: Parceria com a cooperativa de catadores local, possibilitando a segregação e reciclagem dos resíduos, agregando valor social e reduzindo os impactos ambientais pela geração de resíduos.